Blog do Duilio
 

O urubu

 
 

O urubu

 

 

De longe parecia uma galinha preta. Ele andava devagar e mexendo a cabeça. Os vizinhos perceberam que ele não conseguia voar.

Resolvemos recolher e tentar entregar para algum lugar para recuperação. Ele não parecia machucado, mas realmente não voava apesar de abrir as asas para se proteger.

Jogamos uma manta sobre ele, depois eu trouxe para casa e coloquei numa caixa. Primeiro passo foi ligar para 156, serviço da prefeitura. Sempre com atendimento cordial, mas a moça me disse que eu deveria encaminhar a ave para o IBAMA.

O telefone deles atende uma secretária eletrônica dizendo o horário de trabalho. Fui ligando para algumas ONGs que trabalham com animais e a SOS Fauna informou que no parque Ibirapuera, no portão 7ª, tem um departamento que recebe animais silvestres feridos, o DEPAVE - tel. 11 - 3885-6669.

Fui até lá, e realmente eles recebem. Tratam super bem o animal e os veterinários fazem na hora um exame e o deixam numa área para encaminhamento para readaptação.

Infelizmente ainda não tem um número para emergências para animais silvestres. O jeito é ficar procurando nas ONGs.

Nosso urubu agora será tratado e até me deram um número para eu poder acompanhar o caso.

 

 

Escrito por Duilio Ferronato às 22h46

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Kalo no pé | PermalinkPermalink #

O assunto é clima

 
 

O assunto é clima


Taxista é especialista em falar sobre o clima. Mas eu até aguento, só que se você der corda, eles viram o assunto para política. E se tem uma categoria que tem fama por ser de extrema direita é taxista.
Bem, pelo menos os que falam muito. Mas ser de direita tem uma relação direta com a vontade de possuir coisas e defender território. Dono de carro é um tipo de senhor feudal moderno. Ele acha que qualquer um que se aproxime de seu bem mais precioso é inimigo.
Quando alguém começa a falar sobre o clima, eu já desconfio que ele na verdade quer abrir caminho para falar de outras coisas. Quer só amaciar e depois chutar um monte de coisas no seu ouvido.
Meu vizinho usa essa estratégia também: Ele começa falando da sujeira na rua ou de algum outro serviço público. Quando eu dou corda ele vem com a teoria de que o Maluf pôde até ter roubado, mas que todo mundo dirige sobre suas pontes e avenidas. O entendimento de progresso é realmente muito relativo. Enquanto eu fico aqui acreditando que não adianta nada construir pontes sem incentivar cultura, tem gente que acredita que não adianta incentivar o cinema nacional antes de construir estádio de futebol para Copa.
Talvez falar do clima seja o melhor assunto mesmo. Só não pode deixar escorregar para política, ação da polícia, religião ou futebol que a coisa já vira religião. Bem falar de futebol comigo nem adianta muito porque eu já digo que não entendo nada e nem gosto. O assunto morre e o interlocutor fica me desprezando para o resto da vida.
Alguns fogem dos fanáticos, o fundamentalista religioso cansa um pouco, mas chega a ser divertido ouvir o coitado falando. Parece que ele tem só metade do cérebro e é a metade incapaz de raciocinar.
Nem pensem que sou do tipo ateu fanático, muito pelo contrário. Sou meio budista, espírita, macumbeiro, judeu, católico e adoro uma boa crença. Creio em várias coisas que exigem fé. Creio na política. E isso é um assunto que exige muita fé, mas com nossos candidatos à prefeitura por aqui eu ando meio sem fé.
Creio também nos milagres. Adoro pensar que a Santa Ifigênia me ajudou a reformar minha casa, já que ela é a santa que protege as casas. Adoro pensar que São Cristovam cuida do meu carro e que São Miguel me tira os pensamentos ruins. Não posso deixar de dizer que sempre quando as coisas andam difíceis eu penso que Ganesha, o Deus indiano, vai me ajudar a abrir os caminhos.
Mas não dá para dizer para um fanático religioso que eu gosto de misturar tudo. Que tenho fé, mas de um jeito sem religião definida.
Aqui na cidade a semana passada fez um frio de rachar os lábios e hoje está tão quente que o asfalto derreteu. Talvez tenha mesmo uma certa relação entre clima, religião e política.

Escrito por Duilio Ferronato às 21h05

Comentários (Comente) | Enviar por e-mail | Kalo no pé | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Duilio Ferronato Duilio Ferronato, 46 anos. É arquiteto.

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha Online.